25.9.17

Enarmonia

Queimando em minhas roupas distopia
Sua mão dedilhava lânguida minha coluna
No chiado dos silêncios que tudo satura
Lutam suor, sina e anseio; e sou teoria

Sua perversão domesticada me dá simetria
A partitura sua clave desafia marcando o tom
Borram tempo, inversos universos e batom
No intervalo dos lábios, pretensa calmaria
Com um acorde de ré menor aumentado
A dissonância inconfessa devaneia a meu lado
Nossos cabelos misturados são enarmonia
Em meus muitos destinos (re)velados
E nos encontros de acaso semitonados
Tudo que sou é acidente, e ele, sinfonia

69 sonetoS de sexo e amor rimando com dor

Nenhum comentário:

Postar um comentário