4.2.18

Não vale uma Libra

Quem me conhece sabe o quanto signos são um assunto que me interessa. Quem me conhece mais, sabe o quanto acho isso tudo uma besteira.

Acho meio difícil enquadrar todas as pessoas em doze categorias tão estanques. Ou 144, considerando o ascendente. Ou (faz a conta pra mim e coloca o número aqui), se considerarmos sol, chuva, casamento de viúva.

Comecei a pesquisar signos quando fazia teatro. Ajudava a criar personagens, eu escolhia um signo que combinava com cada um e ia direcionando as características pra detalhar os perfis e a partir daí construir trejeitos, hábitos, reações etc. Mas, embora as coisas que aconteçam comigo pareçam ficção, a vida não me fez personagem. Mesmo assim, a vida me deu um signo: Libra.

Libra. Daqui, da tão tão distante Zona Oeste, posso ver o sorrisinho maldoso no rosto de vocês e a careta de repulsa no rosto de alguns (ok, de muitos). Libriano é foda! Inconstante, volúvel, superficial, indeciso, mulherengo, dissimulado, sem graça, fala muito, fora da realidade, se acha, não leva ninguém a sério e, interminável, a lista segue.

São boas imagens para o nosso signo, reconheço. Até acho que elas resumem bem se ficarmos ali na superfície em que boiam a maioria das nossas interações sociais. Mas vou desenhar um pouco do que vejo em nós, incompreendidos librianos, que gera essa resposta. Obviamente baseada em estudos científicos superacurados, que acarretaram em Nobel nas respectivas áreas (já era, os astros já me influenciaram, caminho sem volta!).

Librianos são pessoas encantadas com a vida. Seja aquela lua bonita que ele reparou enquanto você tá cobrando um relatório ou enquanto ele tá te comendo, seja um gesto de gentileza inesperado de um estranho. Librianos têm aquele olhar da criança que tá descobrindo tudo, sabe? E tudo parece colorido e bonito demais.

Isso acaba gerando um contraponto interessante: quando tudo agrada, nada agrada. E daí vêm os nossos tanto faz, pode ser e por aí vai. Porque se tudo é bom e, ao mesmo tempo, nada se destaca, que diferença faz?

Me aprofundo mais ainda no paradoxo e declaro que esse meio-termo morno não é gratuito: Libra é um signo difícil de agradar.

Aí você me vem, cheio das problematizações. "Mas, Valentina, como alguém que se deslumbra com tudo pode ser difícil de agradar?"

Bom, as pessoas são mais complexas do que a superfície, certo? Ou você é facilmente definido pelas músicas que ouve e comidas que come? Librianos são pessoas sociáveis, é verdade. Extremamente sociável. Mas isso também é paradoxo que nada na superfície. Librianos são individualistas e preservam a unhas e dentes seu espaço. Começa a perceber o que eu falo? Isso vai levar você a achar que o libriano é louco, inconstante, dissimulado, não sabe o que quer etc. Libriano é foda!

Há uma superfície muito fácil de agradar, que ama tudo e todos à sua volta. É ele que reúne amigos de cantos improváveis na mesa do bar, é ele que entra em rodinha de altinho na praia só com desconhecidos e sai como melhor amigo de todos. É ele o conciliador, o otimista, o do riso fácil, o com que todo mundo se identifica, o "meudeurdoceu, ele é minha alma gêmea, ele é igual a mim". Mais adaptável e flexível que um contorcionista.

Desça, se aprofunde e conheça um libriano. Ele gosta da solidão, ele se sente deslocado, incompreendido.

Librianos têm uma necessidade quase vital de identificação. Daí decorre o inevitável paradoxo: ele sempre vai parecer semelhante a todos à sua volta, ele sempre vai buscar as semelhanças no outro (um complemento: librianos gostam de agradar e de ver todo mundo bem). Ao mesmo tempo, essa necessidade de identificação fará com que ele sempre se sinta incompreendido e sozinho, porque identificação a um nível mais profundo é difícil, mais ainda pra quem vive conciliando faces que parecem tão opostas e, justamente por isso, a maioria das pessoas não entende mesmo. Você mesmo não tá entendendo muito. Ou tá?

Entende um pouco dessa "indecisão" libriana? Tudo fica meio barro meio tijolo mesmo, tudo fica naquela linha do será que é ou será que não é, porque na prática do nosso cotidiano nem tudo vai ser aquele estalo que nos faz sair da zona de conforto. E pra chamar a atenção de um libriano e ele se decidir, só quando esse estalo mágico acontecer, não tem jeito.

Librianos têm facilidade em se conformar. Embora sejam dados a contos de fadas, vão viver bem em um emprego 8h-17h, que detestam, casados com alguém que apenas "faça bem" e levando seus sonhos pelas beiradas. Librianos são abnegados, racionalizam sensações em matemática e sabem extrair poesia de recantos improváveis. Eles vão sair mortificados daquele emprego de merda, às 17h, vão olhar o pôr do sol com uma coloração diferente, encher a alma de vida e ainda agradecer tudo à vida e pensar: "Caralho, viver é foda."

As pessoas não entendem bem essa adaptabilidade. ("Falsos, inconstantes, fora da realidade, isso sim, detestos librianos, argh!" Ainda tô ouvindo vocês, tá?)

Até porque com essa adaptabilidade toda vem o outro lado. A "coisa" que tira o libriano da inércia. A coisa que no mar de situações, empregos e pessoas amorfas se destaca.

Sabe aquela criança emburrada que dão todos os presentes no aniversário e ela fica meio insossa, achando tudo sem graça? Aí do nada ganha um ursinho de camelô e vai guardar ele até a vida adulta? Libriana. O mulherengo pra cacete que um dia encontra uma cidadã (agulha no palheiro é mais fácil...) que "converte" o tal sujeito em pai de família? Libriano. A mulher toda previsível do lar que um dia recebe a proposta de emprego dos sonhos - que, diga-se de passagem, ninguém sabia - e larga tudo como se fosse não se importasse com porra nenhuma? Libriana. Sempre librianos.

Sabe por que pontuei que ninguém sabia do emprego dos sonhos? Agora acho que você já entrou um pouco mais na seara dos librianos e talvez consiga responder sozinho. Librianos parecem fáceis, óbvios e dados, mas são fechados.

Librianos vão querer te ajudar, vão querer fazer tudo por você, vão querer te ver bem. É a missão da justiça que eles carregam na alma. Isso não significa que o mundo dos librianos está aberto pra você, não confunda. Libriano é foda!

São poucas as coisas com que os librianos se importam e talvez por isso ele tenha essa aura de livro aberto. Até por isso você vai sempre achar que seu bom humor chega antes de tudo, "librianos são felizes, frívolos e não têm problemas, librianos são aéreos".

Não, não e não. É o oposto. Eles são tão fechados que querem mesmo que você pense isso. Não é falsidade, é defesa. Não é porque librianos não levam ninguém a sério, é porque sabem que são poucas as pessoas que vão entender e até merecer (sim, nos achamos, não posso nos defender quanto a isso) atingir esse universo.

Librianos são tão fechados que não deixarão mesmo você saber sequer que existem coisas que terrivelmente o perturbam, muitos menos quais são. Pense! Claro que não é só isso. Lembra do começo do texto? (Tá de parabéns, porque eu já esqueci.) Librianos são os anfitriões da festa. Uma festa não se faz com traumas que nem Freud daria jeito. Uma festa se faz com superficialidade, e librianos sabem muito bem jogar em todas as esferas.

"Tá tudo muito bom, tá tudo muito bem. Mas, Valentina, e a parte do mulherengo, hein?! Como você vai justificar essa?" Meu caro, libriano é tão mulherengo que nem tem tipo de mulher (ou homem) preferido, o tipo preferido do libriano é o que a vida oferece e a gente cai pra dentro achando o máximo!

"Porra, Valentina. Eu tô apaixonadx por um libriano, vem com carinho que assim machuca."

Bom, nesse caso, eu digo... librianos não têm muitos rodeios. Se ele tá de vieses pro seu lado e não te mandou a real, foge logo. Você caiu no limbo. Libriano é foda!

Acho que já deu pra ter uma ideia dos "motivos" pra esse fogo no rabo de Libra, porque parece que sempre atiramos pra todos os lados, né? Às vezes não é bem isso. Às vezes é isso mesmo. Librianos não são fiéis nunca, librianos são fiéis demais.

Se você chegou até aqui e quer uma resposta minha sobre isso (um ser humano ridículo em uma existência gigantesca além de qualquer compreensão perdendo nosso tempo escrevendo sobre astrologia, meio distorcendo quem sou pra me enquadrar em um signo, meio pensando se vale a pena te contar, meio só zoando os outros librianos que vão ler isso aqui e ficar putos discordando, afinal não tenho poder nenhum de saber nada nem de mim, muito menos dos outros...), sai dessa lama, migx, porque acho bem difícil signo definir esse tipo de coisa, e agora é sério.

Sim, "agora" é sério, mas logo já pode deixar de ser. Não fica chateadx por ter demorado tanto pra perceber que só gastei latim à toa com um monte de baboseira pra cumprir minha missão: escrever. Como libriana, espero que tenha te distraído um pouco e feito você rir nesses minutos que estamos aqui (piscadinha sensual), depois me passa seu "zap", tá? ("Porra, Valentina, até você! Libriano é foda!")

Gostar de alguém, confiar, ser fiel etc. são coisas que estão bem além da pretensão zodiacal. Signos não vão definir seu relacionamento. Nem o passado de uma pessoa pode definir isso. (Ok, isso aqui é papo pra outro texto, não vou me estender mais, só espero ter plantado a semente.)

Mesmo com a fama do libriano, já vi muito libriano tipo afinzaço de uma pessoa só, saca? Sem a pessoa "perder a graça" mesmo depois de anos (sim, seus merdinhas curiosos, também me enquadro nisso aqui).

Libra é extremamente mental; a estética de Vênus, que nos rege, só serve pra dar os retoques no acabamento, porque até a estese tem que estar na mente. Se você ficar só nessa aritificialidade que librianos mostram e não conseguir perceber esse "por trás", tchau e vá com Deus. Librianos não vão te mostrar, você tem que descobrir sozinho e boa sorte. Sim, libriano é foda!

Até porque Libra gosta de escolher e conquistar. Se aconteceu o contrário, já desiste de cara, porque tudo o que você vai ter do libriano é mais do mesmo desse senso comum de merda: o meio-termo. A graça momentânea, o passageiro.

Que as coisas perdem a graça fácil pra Libra é uma meia verdade, veja bem. As coisas não perdem a graça, exatamente. Algumas nunca tiveram pra valer, saca? Nada além do que já é o normal. É que Libra é vencido pelo cansaço, também, tudo em nome da santa ordem da sociabilidade. Mas não força a barra, porque você vai fazer Libra se decidir... e ir embora. E ainda vai sair por aí difamando o coitado, chamando de volúvel, sem perceber que o libriano só estava sendo levado. É, migx, já pode ir ouvindo música sertaneja aí, você não vai conquistar um libriano, precisa ser o contrário. O território é nosso e, se você quer entrar, precisa de convite, não permissão.

Mas você sempre pode ir atrás de um cartomante pra saber se x librianx em questão tá na sua. Só cuidado pro pai de santo não ser libriano também, vai que ele se apaixona pelo seu crush e faz uma amarração pro seu crush ficar com ele, em vez de ficar com você? E você perde o crush e o cartomante em uma "cartada" só! Eu não arriscaria. Libriano é foda!


---
Texto escrito para o Desafio do Poligrafias - um texto por dia durante trinta dias com temas específicos e determinados. Meus trinta textos do desafio estão na categoria PoliDesafio.
Dia 7. Sobre você e o seu signo.

Um comentário: