25.9.17

Toda a simbologia do mundo

Entre identidades anônimas e irrelevantes
Na dele, o encontro das certezas
De riso fácil e venenos reais
Embolando glitter e cabelo comprido

Ele destroçou o que havia antes
Dizendo que no vazio que se constrói beleza
A única exceção na multidão de iguais
Me queimando em incêndio de brasa tingido
Só o inconsciente sabe o que era para ser dito
Dos muitos desejos na batalha dos aflitos
Compartilhamos nossas loucuras reflexas
Nas lacunas do sotaque de onda que não se entende
E do amor que se dissolve em névoa ardente
Todas as suas metáforas são complexas

69 sonetoS de sexo e amor rimando com dor

Nenhum comentário:

Postar um comentário