24.10.17

Excessos... e vazios

Vago. Como sempre, em todos os dias. Até nos meus pensamentos, vagar é só o que faço. E com tanta veemência o faço, que não sei como meus pensamentos não se materializam por aí.

Mas agora isso é bem literal. Vago carregando uma sacola de algum fast-food pela Nossa Senhora de Copacabana. Eu me pergunto todos os dias se seria diferente se eu vagasse na Augusta ou onde quer que fosse. Ou experimentando outras realidades. Mas é uma pergunta tão retórica que me faço já sabendo a inevitável resposta.

23.10.17

Trepada boa é aquela

Nunca vi graça em quem faz sexo estéril, aquela coisa que passaria em testes hospitalares de zero contaminação, hermética, embalada a vácuo. É que trepada boa tem risada, gemido, troca de posição, estalo de beijo, saliva, essas coisas. Não fui eu quem falei isso, mas concordo.

Trepada boa não tem pênis, ânus, vagina. Tem muita convenção e boa educação sendo jogadas no ralo.

Trepada boa é aquela que cheiros e suores se misturam bem ali nas raízes dos cabelos da nuca.

20.10.17

Resenha do livro "Simonal"

Alonso explora as lacunas da concepção ideológica de MPB que se consolidou à época da ditadura, mas, como cantaria Simonal, se apresenta como “um menino de mentalidade mediana”.

Aquele vestido

Sabe, acho que nunca te contei.

Na primeira vez que transamos, aquele vestido que eu estava usando caiu atrás da minha cama e esqueci ele lá. Não é muito higiênico contar que só fui achá-lo muito tempo depois, mas foi o que aconteceu. Eu me esqueci mesmo dele.

19.10.17

A porta fechada

Foi entreaberta que a deixei. Por que agora a porta parece trancada? Eu tenho tantas chaves aqui comigo... por que nenhuma delas consegue abrir de novo? Ela estava escancarada há tão pouco tempo... eu tenho certeza.

15.10.17

021








Um dia na hora do intervalo, vi um rapaz que eu nunca tinha visto antes. Como era lindo, meu Deus. Decretei que me apaixonaria por ele. Ficava procurando ele com o olhar nos intervalos... Ele era mais velho. Uau, um cara mais velho! Que fora da lei eu era, eu tinha 14 anos e ele, 16. Um dia resolvi contar aquilo para minha amiga, que reclamava que eu era muito fechada e nunca falava nada naqueles grupinhos de meninas decantando suas paixões.

“O cara eu gosto é aquele ali.”
“Aquele???”, perguntou ela entre surpresa e incredulidade.
“É, por quê?”

Resenha do meu livro "O (não) lugar do amor"

(Atenção: contém spoiler)

O (não) lugar do amor é uma alegoria do sujeito contemporâneo e suas formas fragmentadas de vivenciar o amor tipificada em seu protagonista. Leonardo, um aluno de um curso de pós-graduação em Comunicação, por ter ingressado em um grupo de estudos, se vê forçadamente trabalhando justamente com este tema: o amor contemporâneo. Assim, a obra é metanálise. Uma questão importante a se considerar é que o livro é a contraparte ficcional de um romance-tese em teoria literária, o que coloca um quadro teórico desde a composição dos personagens até a construção das cenas e situações por que eles passam, e dá o tom intencional do caráter mise en abyme do livro.

13.10.17

1.169km

Eu não queria me apaixonar por uma mulher de outro estado. Ninguém quer; mas eu talvez não quisesse mais que qualquer um. Talvez fosse, nesse âmbito, tudo o que menos quisesse.

11.10.17

Ninguém espera porra nenhuma de uma terça à noite

Todo mundo espera alguma coisa de um sábado à noite, mas, de uma terça, o que vier é lucro. "Ou não", como já dizia o sábio Caetano.

Começamos empolgados fazendo aquele tour Zona Oeste - Zona Norte do Rio, com a parada estratégica para catar a musa inspiradora das minhas punhetas, Valentina, na Zona Sul, afinal, se é para rodar o Hell de Janeiro em pleno rush carioca, vamos enfiar o pé na jaca legal brincando de ligue os pontos na cidade. E como já dizia uma falecida poeta... "A rusticidade começou..."

Love is a temple, love is a higher law

Estava aqui ouvindo "Tourne" e me lembrei de quando você me apresentou à Shy'm, dizendo que eu parecia com ela.

Você me via em várias pessoas, lembra? Eu entendo, porque ainda te vejo em muitas. Do porteiro do meu ex-trabalho (que, embora você tenha ido lá várias vezes, sequer conheceu, tão embevecidos que éramos um com outro para lembrar das "listas de coisas para conversar") a vizinhos e personagens.

desequiLibra

Dizem que Ar e Água são elementos bem dissimulados, e eu, como boa libriana, endosso o clichê. Mas também como boa libriana, dual, às vezes consigo honrar a "transparência", ou chame como quiser, do ar. É que essa dissimulação não é totalmente verdade quando se trata de extremos.

8.10.17

Sono "de casa"

Sempre tive problemas para dormir com outra pessoa, mesmo que não estivesse no mesmo quarto. Bastava ter outra pessoa em casa e meu sono já ficava perturbado. E, obviamente, uma criança não cresce sozinha (não por padrão), então dormir sempre foi complicado. Acho que para mim representava um tipo de confiança.

7.10.17

Antiquários

Eram gritos sufocados para não incomodar o vizinho que dormia. Rapidamente silenciados por algo que fazia o trabalho mais rápido. A morte em certos momentos é compaixão.