31.12.17

Façam essa porra acontecer

Fico me perguntando por que nós dois simplesmente não bancamos e vivemos isso de verdade, de uma vez. Agora.

Sem punheta mental.

Sem andar nas beiradas, só molhando o pé na água. Por que a gente não mergulha logo, se tá um calor do caralho? Por que a gente não se lambuza, se a vontade latente já pulsa há meses? Por que a gente simplesmente não se joga, sem pensar muito em controlar o que não podemos? Por que não paramos de cautela e circular por nossos desejos e entramos de uma vez nisso e vivemos tudo? Tudo mesmo.

21.12.17

Aos que me amam

Vocês, todos vocês, que dizem me amar, precisar de mim, se preocupar loucamente comigo, morrerem de saudade o tempo todo. Que até choram na minha frente de tanta falta que sentem de mim. Que me ligam implorando só pra ouvir minha voz. Que mandam mensagens sufocadas pedindo por resposta.

Eu não suporto nenhum de vocês.

Em suas especificidades, odeio todos. Não suporto as exigências da minha presença que me fazem constantemente. Dos meus ouvidos, das minhas respostas, eventualmente da minha pele. Dessas reações químicas loucas que desencadeio em vocês. Vocês amam meu coração supostamente a prêmio.

Términos

O que dói mais? Ainda acho que é gostar de alguém, mas ter que romper com essa pessoa.

Há simplesmente demandas que não podemos suprir, nem vamos. Por mais que doa, o mais justo com as expectativas do outro é o rompimento. Relacionamentos humanos são complexos. Às vezes esbarramos com uma pessoa e temos aquela sensação de "é ela". Mesmo que não dure nem uma semana.

Às vezes ficamos meses, anos com alguém. Gostamos, gostamos bem, até. Mas sem ter essa sensação. É impossível você só se envolver com quem te dê essa sensação. Isso é tão raro...

18.12.17

Morno

Mundos inteiros correm e gritam logo ao lado, em paralelo, no rush de suas urgências. Mas os pensamentos que sufoco são ainda mais altos e ruidosos do que qualquer outra coisa.

Aqui, sentado nesse deque, penso no quanto sou morno. É como segurar gelo; quando a temperatura é muito baixa, ela queima. O gelo excessivo, no fundo, é brasa. Tudo que é muito tende sempre a seu oposto. E opostos são a falta de sal da média.

7.12.17

Asas da morte

Eugênia disputava o título de pessoa mais insana que conheci. E olha que conheci várias. A primeira vez que a vi pessoalmente foi, em contraste, a última em que consegui matar.

Não sei como acabei aqui. Não sei como me tornei o "isso" a seus olhos de juiz. Já não lembro sequer como era antes ou se esse antes chegou a existir. Só sei que gostei.

Um dia, se é que posso chamar de dia, há muito essas noções não me acompanham, eu estava aqui: as mãos sujas de sangue, e sabia como encontrá-las. Elas, a quem eles chamam de vítimas. Prefiro acreditar que as liberto. Há grades maiores do que a ilusão do real?

Também eu me libertei, com a única certeza que hoje me acompanha. Sou o arauto da morte. Mas não de qualquer morte, da morte lenta e agoniada, sentindo cada espasmo da fugacidade escapando entre os meus dedos. A vida se esvaindo, se extinguindo. Esses poucos segundos de eternidade.

Esse é o meu maior prazer.

1.12.17

Libra namora 7

Todo mundo sabe que a música da vida do libriano é "7 e 7 são 14, com mais 7, 21, tenho 7 namorados, mas não gosto de nenhum" e isso pode ser um tanto literal.

Acontece que Libra precisa mesmo de 7. Mas não necessariamente desse jeito.

Libra precisa do Fogo, porque Libra é instrumental, e precisa saber que faz seu trabalho ao soprá-lo e vê-lo se propagar; para destruir ou construir, porque faz parte de sua missão.

Libra precisa dividir espelhos e senso de justiça com Leão, suas aventuras e humor duvidoso com Sagitário e seu poder realizador com Áries. E precisa de Áries também porque, eventualmente, até Libra precisa brigar.