25.5.18

Eu nunca amei você

Sabe, Elizabeth, eu nunca amei você.

Você prendendo seus cabelos meio sem graça com minhas piadas rudes ou perdendo os óculos no meu quarto. Seu fundo fanho na voz, seu jeito de se afastar, em tantos sentidos. Nada disso pra mim nunca foi amor.

Eu nunca amei seu abraço pouco entregue, aquele sorriso de lado, sobrancelhas, mãos, desvio de septo, olhos sorrindo nos meus, cheiro doce invasivo, pensamentos insones e turbulentos que te fazem pegar o carro de madrugada sem rumo. Que te fazem se questionar, porque é tão dona da verdade que acha que sabe a fórmula até pra aplicar a si mesma, e falha.

Não, eu nunca amei você.


Amor é aquela coisa brega de dois nomes juntos em um papel, escovas de dentes compartilhadas e ímãs de geladeira.

Amor faz duas pessoas se decepcionarem e pensarem coisas ruins sobre si mesmas, e descobrirem uma súbita desesperança em não ser suficiente.

Amor deve ser muito bom, mas corta de alguma forma um pedaço que seja de asas bonitas e reluzentes demais num voo de final de tarde. Asas que devem mesmo ser livres para se perderem de vista. Escaparem.

Amor faz as pessoas escreverem quadros, comporem livros, pintarem músicas. E às vezes em uma ordem mais certa, mas do incerto que vem a arte, do incerto que vem a guerra, que no fundo não são assim tão diferentes.

E é por isso que amor salva vidas, empodera heróis e cura. Mas, na maioria das vezes, encarcera almas no purgatório. Prende em cativeiro o que é do mundo. Escreve, compõe, enquadra - e nenhuma dessas palavras no fundo é boa. E tudo isso serve a um propósito, que come pelas beiradas disfarçado de epifania, de estagnação e registro.

Sabe, Elizabeth, eu nunca amei você. Eu não quero amar você. Tudo o que você me causa ferve demais pra eu querer massacrar e tornar estanque dessa maneira. Tudo o que você me causa tem mesmo que brincar livre por aí, indo e vindo sem aviso ou previsão, como as suas notificações.

Se um dia nós dois formos um nós dois e se um dia nós dois tivermos um dia, a gente inventa um nome melhor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário