25.11.20

A falta

É claro que eu também tenho sentimentos por você. Respondo em voz alta, sozinho no meu quarto, já pela milésima quanta vez escutando tua voz naquela mensagem.

Olho a parede, o armário, a rua pela janela do andar baixo, ouço de algum lugar a música que toca falando comigo: Mas correr atrás já é demais. Evito o meu reflexo no vidro.

Nunca foi falta de sentimento, pelo contrário, foi excesso. Sabe quando você molha os pés no mar e sente que a correnteza vai te puxar se você não sair logo?

Eu também fiquei paralisado de ver tudo acontecendo tão fácil e tão rápido entre a gente. Sim, eu também senti pavor, como você mesma comentou sobre você.

Entenda, minha querida, todo mundo tem as suas dores, mas eu não posso me dar ao luxo de dar um passo em falso.

Porque eu não teria onde me agarrar se a queda fosse ainda maior do que já tem sido; se esse chão, instável, sumisse por completo e eu tivesse que encarar o abismo sem nenhuma corda de reserva.

Não é que eu não queira, que eu lhe tenha virado as costas, ido embora, desistido, como você escolheu pensar. Seria bem mais fácil se eu realmente tivesse feito isso; mas eu não fiz, nem conseguiria fazer agora.

Eu só me afastei pra conseguir avaliar melhor a multidão de sentimentos que nos invadiu de repente, sem aviso e sem preparo. Eu me afastei porque preciso dessa ideia de segurança, nem venha me falar que a própria vida é incerteza e que, mais do que ninguém, eu deveria saber disso.

Uma coisa é jogar com as incertezas da vida. Outra, bem diferente, é se atirar no precipício com uma bigorna de sentimentos presa nos pés.

Eu também queria voltar do começo, ir devagar, dar uma chance pra nós dois. Mas as minhas defesas se armaram como nunca, e meu medo se misturou e tomou a frente.

Se eu não acho que é um grande erro estarmos separados? Eu não tenho a menor dúvida. Estar do seu lado me fazia sentir em casa, e isso é arriscado demais pra alguém que está longe de tudo que sempre entendeu como casa.

Eu já fiz isso antes. Já me afastei, já evitei, já cortei. Fácil nem sempre foi, mas agora é diferente. Não só porque não adianta, não só porque eu não consigo parar de pensar em você aí, envolvida com as suas atividades, com as suas conversas com outras pessoas, tão indista a mim.

Mas simplesmente porque você se impregnou de um jeito inédito no meu corpo e na minha alma. Você não só passou a imperar nos meus pensamentos, mas tomou de rompante todos os meus sentimentos, como se seus eles fossem.

Sim, é claro que pra mim tá foda também. É justamente por isso que retomo o rumo, reajusto o leme, respiro fundo e me aquieto no meu canto.

Eu só preciso sentir de novo que eu ainda tenho controle... de mim.

É importante saber um do outro o que sente. E se em algum momento o sentimento te diz que eu não te amo, não tem cabimento. Sinto falta de você, sei a falta que é você.

2 comentários:

  1. CA-RA-LHOOOO. Que texto foda, gostei muito, vim parar aqui nem sem como. Mas ler isso valeu anpena.

    ResponderExcluir